MAPA DO SITE

 
 

Bombinhas SC- Matriz e Base de Mar (47) 3369-2119 / Curitiba PR - Filial Batel (41) 3343-6040 Loja Virtual de Mergulho Patadacobra Patadacobra no Facebook   Siga a Patadacobra no Twitter     Mergulho Virtual no Youtube

 

Patadacobra Escola de Mergulho em Bombinhas e Curitiba

 

Go Dive

  CURSOS PADI MERGULHO E TURISMO IDC - GO PRO VEJA SUA FOTO
Curso de mergulho PADI em Bombinhas ou Curitiba é na escola Patadacobra Agende sua saída para mergulho em Bombinhas - Ilha do Arvoredo com a Patadacobra Curso para instrutor de mergulho na Patadacobra Mergulho a partir de 8 anos na Patadacobra
   PISCINA AQUECIDA SAÍDAS DE BARCO FORMAÇÃO PROFISSIONAL NOSSOS ÁLBUNS

Home  Quem Somos  Bombinhas Base e Matriz Curitiba Filial Arvoredo Tarifário Formulários Localização Contato O Tempo em Bombinhas FAQs

PATADACOBRA ESCOLA E OPERADORA DE MERGULHO  GALERIA DE FOTOS    LINKS    PARCEIROS    CLASSIFICADOS    VIAGENS DE MERGULHO

 

Dossiê Arvoredo - por Renieri Balestro "Neio"


09 de Julho de 2012 - Audiência Pública sobre a recategorização da Reserva Biológica do Arvoredo tem resultado favorável
   

Aconteceu na noite da última segunda-feira (09), a audiência pública sobre a recategorização da Reserva Biológica Marinha do Arvoredo. O evento ocorreu na Assembléia Legislativa do Estado em Florianópolis e contou com a participação da comunidade em geral, acadêmicos e representantes da iniciativa privada, poder público e terceiro setor da região de entorno da reserva.

A audiência foi convocada pelos deputados federais Rogério Peninha Mendonça e Esperidião Amin, que, com o apoio unânime da bancada catarinense no Congresso Nacional e após prévias discussões sobre o tema com o Ministério do Meio Ambiente e o Instituto Chico Mendes de Conservação à Biodiversidade – ICMBio, propõem a transformação da Reserva Biológica Marinha do Arvoredo em Parque Marinho.

Os deputados abriram o evento ressaltando a importância da Reserva Marinha do Arvoredo para o turismo em Santa Catarina e afirmando que a unidade de conservação seria preservada, mesmo com a mudança de categoria. Em seguida, os técnicos do ICMBio, após contextualizarem a reserva e apresentarem informações técnicas sobre a unidade, conduziram o trabalho de discussão sobre o tema.

Além dos deputados citados e do corpo técnico da ICMBio, compuseram a mesa de debates os deputados estaduais Volnei Morastoni, Edson Andrino, Nilso Berlanda e Arno Schneider, a professora da Universidade Federal de Santa Catarina, Alessandra Fonseca, o Capitão da Marinha do Brasil, Cláudio da Costa Lisboa, o representante da sociedade civil organizada de Bombinhas, Mário Pera e o Secretário de Turismo e Desenvolvimento Econômico de Bombinhas, Cláudio Souza, que representou o Prefeito Municipal Manoel Marcílio dos Santos.

Cerca de 100 pessoas de Bombinhas participaram da audiência: trabalhadores, mergulhadores, empresários, vereadores e representantes da AEM/CDL, Costa Esmeralda Convention & Visitors Bureau, Governança da Costa Verde & Mar, Conselho Municipal de Defesa do Meio Ambiente e das Secretarias de Pesca e Aquicultura, Turismo e Desenvolvimento Econômico e Fundação Municipal de Amparo ao Meio Ambiente. Valdir Walendowsky e Flávio Agostini, respectivamente Presidente e Diretor de Marketing da SANTUR, também estiveram presentes apoiando a causa.

Após vários questionamentos sobre o processo e sobres as consequências na mudança da classificação, inclusive de posicionamentos contrários de estudantes e professores, o diretor de Criação e Manejo de Unidades de Conservação do ICMBio, Pedro de Castro Cunha Menezes, defendeu que as reservas, em tese, permitem maior conservação, mas que, na prática, podem significar o contrário, porque sem o envolvimento das comunidades no entorno fica difícil atingir o resultado de preservação.

Ficou evidente que a Instituição não abre mão da preservação, mas considera viável que enquanto parque, isto seja garantido. “Como parque, irá gerar empregos e haverá um envolvimento maior da população, o que deve contribuir com a preservação do lugar”, afirmou Pedro.

Findada a discussão, os deputados Peninha e Amim, concluíram que o projeto de lei que transforma em Parque Nacional a Reserva Biológica Marinha do Arvoredo será apresentado na Câmara dos Deputados. Após a apresentação, o projeto de lei será distribuído às comissões parlamentares, onde deve passar por nova rodada de debates. No final do processo, deverá ser apreciado e votado pelo plenário da Câmara dos Deputados. Aprovado, seguirá para o Senado Federal, onde passa por processo semelhante. Só então poderá ser sancionado pela presidente Dilma Roussef.


 
05 de Março de 2012  - Avança a transformação da Reserva do Arvoredo em parque
O presidente demissionário do ICMBio, Rômulo Mello, informou aos deputados federais Esperidião Amin (PP) e Rogério Peninha Mendonça (PMDB) que o comitê gestor do instituto aprovou o encaminhamento da recategorização da Reserva Marinha do Arvoredo em Parque Nacional, na última sexta-feira. Este é o primeiro dos três passos para a efetivação da alteração.
O próximo será a realização de uma reunião com o conselho consultivo da reserva biológica. E, por último, o ICMBio encaminhará uma minuta com a proposta de um projeto de lei à bancada catarinense. Existe, ainda, a necessidade de realização de audiência pública para debater a questão.
Com a criação do parque, o mergulho e o turismo de observação serão habilitados na área, que compreende os municípios de Florianópolis, Porto Belo e Bombinhas

 
09 de Agosto de 2011 - Comitiva Catarinense em Brasília para audiência no Ministério do Meio Ambiente
 

 

 
 

 
  Da esquerda para a direita: Mario Pêra, Renieri Balestro, Osmar Santos, Esperidião Amin, Edinho Bez, Rogério Mendonça Peninha, Claudemiro Schmit Francisco Maciel.  
   
  Desde que recebemos a notícia que o arquipélago do Arvoredo tinha se tornado uma unidade de conservação na categoria mais restrita - Reserva Biológica Marinha, e sem nenhum tipo de consulta ou estudo envolvendo a comunidade, não medimos esforços para que esse equívoco social fosse revertido. Foram inúmeras reuniões, medidas judiciais e audiências, até então sem nenhum resultado positivo. Por um certo tempo conseguimos amenizar o impacto do decreto com medidas alternativas como a assinatura de termo de conduta que nos permitiu de forma parcial continuarmos com nossa atividade. Mas a partir de 2002 quando foi declarado o fechamento total da reserva para a prática do mergulho recreacional, ficamos restritos ao uso do lado sul da ilha do Arvoredo e com a presença dos ventos do quadrante sul tivemos várias vezes que cancelar nossas saídas para aquele destino.
   
  Mas nunca desistimos e sempre que possível colocamos nossa reivindicação para que tivéssemos o Arvoredo de volta. Nosso resultado mais positivo até então tinha sido uma audiência publica realizada em junho de 2008 na ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA, em Florianópolis por iniciativa dos deputados Jailson Lima da Silva (PT) e Rogério Mendonça – Peninha (PMDB) - Detalhes  mais abaixo...
   
 

Uma luz no fim do túnel - A nossa mais recente e produtiva ação

  Durante todos estes últimos 11 anos sempre estivemos trabalhando para que nossa reivindicação chegasse aos administradores do setor de meio ambiente em Brasília, e recentemente tivemos uma nova oportunidade a qual o resultado foi considerado o mais positivo até então.
  Este novo episódio aconteceu recentemente em viagem que fizemos até Brasília por convite do  deputado Rogério Mendonça Peninha, que agendou uma audiência junto ao Ministério do Meio Ambiente.
   
  Os participantes da nossa comitiva rumo à Brasília:
  - Deputado Federal Rogério Mendonça Peninha
  - Deputado Federal Esperidião Amin
  - Francisco Maciel e Mario Pêra – Respectivamente presidente e vice-presidente da AEMB Associação Empresarial de Bombinhas
  - Renieri Balestro "Neio" – Representando a presidencia da AEOMESC - Associação das Escolas e Operadoras de Mergulho do Estado de Santa Catarina
  - Manoel Marcílio dos Santos e Claudemiro Schimit – respectivamente prefeito e vice-prefeito de Bombinhas
  - Omar Santos representando a Rádio Mariscal FM
  Juntaram-se também a nossa comitiva  a diretora do Ministério do Trabalho e ex-vereadora Ana Paula da Silva "Paulinha" e o Deputado Federal Décio Lima.
   
  Qual foi a nossa estratégia em Brasília:
  Transitamos das 9:00 horas  até as 15:00 horas entre a Câmera dos Deputados e o Senado – para fazermos inúmeros contatos.
  Em cada encontro o Deputado Peninha e a comitiva apresentavam o plano: A criação de  dois projetos com o mesmo teor,  visando a reclassificação do Arvoredo para Parque Nacional Marinho.
   
  - Um projeto feito para tramitar na câmera do deputados:  Assinados pelos 3 deputados – Rogério Mendonça Peninha – Décio Lima – Esperidião Amin. Para conseguir apoio à  esse projeto fizemos vários contatos e finalmente conseguimos também o compromisso de assinatura do Deputado Federal Edinho Bez – presidente do Fórum Parlamentar Catarinense com o aval de toda a bancada Catarinense.
   
  - E a elaboração de um outro projeto, com o mesmo teor, mas à ser encabeçado pelo Senador Luiz Henrique da Silveira,  que nos recebeu de forma muito atenciosa durante um intervalo dos trabalhos no senado, e recebendo as assinaturas de co-autoria dos outros dois senadores catarinenses, Paulo Bauer e Casildo Maldaner.
   
  Bem, com a conquista do apoio de toda esta representação política  eu já esta satisfeito e achava que a viagem já teria valido a pena, mas ainda tínhamos a audiência no MMA, da qual eu confesso que não esperava muito devido a última experiência numa outra audiência a anos atrás, onde simplesmente só recebemos "NÃO" e pronto!
   
 

Sobre a audiência e a nossa agradável surpresa!

  Fomos recebidos num clima  muito amistoso por  Francisco Gaetani – secretário executivo do MMA e Ricardo J. Soavinski – Diretor de Unidades  Conservação de Proteção Integral.
   
  Primeiramente o Deputado Peninha de forma bem  objetiva apresentou o nosso plano dos dois projetos, Câmera e Senado, como também fez um relatório fiel de todo comprometimento político  que já havíamos ganho para a proposta nos dois setores envolvendo  toda a bancada catarinense. Mas também deixamos bem claro que tínhamos a preferência de que o processo de reclassificação de reserva para parque fosse originado e conduzido por iniciativa do ministério do meio ambiente.
   
  Após ouvir toda a explanação do Deputado Peninha o secretário executivo Francisco Gaetani, num gesto de muita humildade, pediu desculpas pela ignorância sobre todo o histórico do Arvoredo e solicitou que lhe fosse explicado cada ponto, desde sua criação e todo o processo até os dias de hoje.
   
  Para isso várias vezes fui solicitado a dar meu depoimento em nome da AEOMESC e a cada assunto polêmico recebi o aval positivo do diretor de Unidades Ricardo J. Soavinski  o qual demonstrava estar inteiramente apar de todos os fatos acontecidos no período.
   
  Conforme o secretário ia recebendo as informações já deixava claro sua reprovação aos procedimentos que ignoraram o impacto sócio econômico que todo o processo causou a comunidade de entorno. Mas ele se mostrava cauteloso e ao final pediu qual era a opinião do Diretor de Unidades. Foi então que  todos da comitiva se surpreenderam. Ele objetivamente disse: "Realmente tudo o que eles relataram estão em nossos registros e ao meu ver, depois de tudo o que já aconteceu na administração da REBIO, desde a sua criação, eu prefiro optar pela Recategorização para Parque do que ter que fazer ajustes na atual Unidade. Porque sei que estes ajustes não iriam resolver de forma satisfatória a solicitação da comunidade e ao mesmo tempo iria descaracterizar a própria Unidade o que poderia gerar outros conflitos em outras  que realmente precisam ser restritas à este nível.
   
 

Em resumo:

 

A frase que resume a posição do Ministério é a seguinte: a Reserva é, hoje, um PASSIVO AMBIENTAL!; reclassificada, permitindo-se mergulho de observação educativo, passará a ser um ATIVO AMBIENTAL!
Estabelecemos como diretrizes:
a) o Fórum da Bancada Federal de SC subscreverá um documento a ser IMEDIATAMENTE entregue ao MMA/ICMBio e colherá assinaturas de adesão posteriormente;
b) O MMA/ICMBio elaborará um cronograma de ações, incluindo uma audiência pública, provavelmente em Bombinhas, para permitir a regular e legal RECLASSIFICAÇÃO.
Todos consideramos excelente o clima e o ânimo dos participantes.
Cremos que foi dado um passo consistente para atingirmos o objetivo social e ambientalmente mais correto.

   
 

A mais positiva reunião dos últimos 11 anos - O Destino do Arvoredo em discussão .

 

 

Audiência no Ministério do Meio Ambiente em Brasília - em 9 de agosto de 2011

 

A comitiva catarinense é recebida pelo secretário executivo do MMA, Francisco Gaetani juntamente com  Ricardo J. Soavinski – Diretor de Unidades  Conservação de Proteção Integral.

   
 

A conclusão da 1ª tarefa pós audiência - O comprometimento oficial de toda a bancada Catarinense!

   
 

 

   
  Entrega, por parte do deputado federal Rogério Peninha Mendonça ao Secretário Executivo do Ministério do Meio Ambiente, Francisco Gaetani, de ofício assinado por todos os 16 deputados federais e os 3 senadores de Santa Catarina (toda a bancada catarinense), solicitando providências para a reversão da Reserva Biológica Marinha  do Arvoredo para Parque Nacional Marinho do Arvoredo.

Reforçamos a confiança no trabalho da bancada catarinense em Brasília, para alcançarmos esta mudança tão esperada, há quase duas décadas.

 Download da cópia do ofício em pdf aqui:

 

Para ler o documento é necessário  o Adobe Reader - baixe usando o link ao lado

   

 

11 de Junho de 2008 - Audiência Pública discute reclassificação da Reserva do Arvoredo

 
A Comissão de Meio Ambiente da Assembléia Legislativa do Estado de Santa Catarina, por solicitação dos deputados Jailson Lima da Silva (PT) e Rogério Mendonça – Peninha (PMDB), reúne representantes de escolas de mergulho, colônias de pescadores, empresários, Organizações Não Governamentais (ONGs) ambientais, Ministério Público e Ibama.
A comunidade organizada de Bombinhas deu sua demonstração de força. Esteve presente à AUDIÊNCIA PÚBLICA realizada na ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA, em Florianópolis. Mais de 80 pessoas de Bombinhas. Só no ônibus fretado pela AEMB/CDL foram mais de 40 pessoas. Juntos, produzindo esforços, unindo e provocando o debate em torno do problema, que diz respeito a todos.
Ficou acertado que uma moção deverá ser encaminhada ao Plenário da Assembléia para que os parlamentares subscrevam e apóiem o seu envio aos três senadores catarinenses.
Não havia diferenças ideológicas, políticas. Havia naquele ambiente da ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA (conforme fotos anexas) PENSAMENTO ÚNICO: TRANSFORMAR A RESERVA EM PARQUE. DEVOLVER TODO ESTE CENÁRIO PARA QUE O HOMEM POSSA VISITÁ-LO, PROTEGÊ-LO, DEFENDÊ-LO.  QUEM CONHECE, CUIDA!
       

 
 

 

R e t r o s p e c t i v a

Histórico Resumido:

  •  Na década de 80 as escolas de mergulho mostram a necessidade de proteger a área

  •  A UFSC também apoiava a idéia

  •  Um técnico do IBAMA sobrevoa a área em um dia

  •  Um documento é levado ao presidente José Sarney

  •  Em 12 de março de 1990 o presidente José Sarney cria a reserva frustrando os pedidos da sociedade catarinense:

                   *  A proposta da sociedade catarinense era para parque nacional

                   *  A Reserva foi criada sem estudos prévios nem sobre a fauna, flora, sobre os limites que deveria ter a unidade de conservação e  sem levar em conta as comunidades que dependiam da região, prejudicando diretamente os pescadores e o turismo.

  • A REBIO ficou abandonada até 1991.

  • No verão de 1991 começa uma tímida fiscalização, que no inverno não é feita.

  • A Reserva é abandonada de novo.

  • De 1992 a 1994, foram feitas em torno de 200 saídas de monitoramento e fiscalização TODAS em barcos das escolas de mergulho.

  • De 1994 a 1996 a Reserva fica “fechada” para a atividade de mergulho ecológico e praticamente sem fiscalização nenhuma, sem pesquisas, apenas infrações.

  • Em 1997, é assinado um Termo de Ajuste de Conduta entre o IBAMA, as Operadoras de Mergulho, a Polícia Ambiental e a UNIVALI.

  •  Começa o período mais produtivo para a Reserva, no que diz respeito à fiscalização, educação ambiental, pesquisas científicas e conservação da biota. Com muitas pesquisas, colocação de poitas para ancoragem e doação do barco “RUAN” de 10 metros de comprimento para a fiscalização, por parte das operadoras.

  • De 1997 a 2001 - Fiscalização intensiva com apoio da AEOMESC - Associação da Escola e Operadoras de mergulho do Estado de Santa Catarina.

  • Em 2002 a REBIO  é definitivamente fechada para a visitação o que permanece até os dias de hoje.

 

Outras considerações:

Desde a criação da Reserva Biológica Marinha do Arvoredo (REBIO), em 12 de março de 1990, pelo decreto presidencial nº 99.142, do então Presidente José Sarney, as comunidades de parte do litoral norte e da Grande Florianópolis tem sofrido violentamente os reflexos econômicos e sociais, vendo-se frustrados, até os dias atuais, os apelos da sociedade catarinense.

Isso porque a Reserva foi criada sem quaisquer estudos prévios sobre sua fauna, flora, sobre os limites da unidade de conservação e também sem levar em conta as necessidades daqueles que dependiam da região, o que, obviamente, trouxe prejuízos aos pescadores artesanais e principalmente à indústria do turismo, que é, nesses pólos, o mais forte elemento de desenvolvimento econômico sustentável.

A constituição de uma unidade de conservação na categoria de Reserva Biológica tem afastado não só o setor turístico, mas a sociedade civil, inclusive as instituições de pesquisa científica e de educação e proteção ambiental do Arvoredo.

Estudos estatísticos realizados nos últimos anos pelas entidades ligadas ao setor turístico revelam uma redução de 95%, no último ano, de turistas de mergulho contemplativo em todas essas regiões, representando, por sua vez, o crescimento significativo do índice de desemprego no Estado de Santa Catarina.

Ainda recorrendo à atividade do mergulho contemplativo, é relevante dizer que cada turista-mergulhador gasta, em média, apenas 20% com essa atividade. Os 80% restantes dividem-se em despesas de hospedagem, alimentação, comércio, serviços e transporte.

É fundamental e necessário, entretanto destacarmos que nossas preocupações transcendem a questão econômica. Há uma enorme consciência preservacionista nos setores de turismo ligados diretamente à Unidades de conservação. As operadoras de mergulho e barcos de passeio subsidiaram durante muitos anos diversas atividades pró reserva, destacando-se: o transporte gratuito e apoio a pesquisadores, ambientalistas, Marinha, Polícia Militar, IBAMA e ONG´s; a doação de vários equipamentos para a REBIO, como binóculos, rádios VHF e equipamentos de mergulho; a doação de uma embarcação (barco Ruan) à fiscalização, tendo este sido vendido recentemente por falta de manutenção.

Antes considerada a Capital Nacional do Mergulho Ecológico, consolidando-se como um dos melhores pontos da América Latina, a REBIO tornou-se hoje uma unidade de conservação que, além de não conseguir auto-sustentar-se, e menos ainda executar as políticas definidas no seu plano de manejo, vê o seu meio ambiente sofrendo ainda mais com o afastamento desses parceiros.

Pela falta de recursos e pessoal disponível para fiscalização, a pesca predatória é ainda mais indiscriminada, inclusive com a morte de tartarugas e outras espécies marinhas e, segundo o trabalho científico CBO 2004, hoje há mais lixo no fundo da reserva do que fora dela.

Nós queremos ajudar a mudar esse quadro. O que reivindicamos, portanto, é que essas comunidades que convivem nesse contexto tenham a oportunidade de participar ativamente do processo de preservação e manutenção desta Unidade de Conservação, através de um modelo que seja de fato sustentável, real e exequível, a exemplo de Abrolhos, Noronha, e de tantas outras unidades de conservação nacionais e internacionais.

Não discutimos a boa vontade dos técnicos e responsáveis pela REBIO, tampouco os compromissos do Ministério e do próprio IBAMA / Instituto Chico Mendes em relação a preservação ambiental, mas é certo que a categoria imposta ao Arvoredo e demais ilhas (Galé, Deserta e parte do Calhau de São Pedro), e a forma que vem sendo implementado, comprovadamente, não atende nem aos interesses do desenvolvimento econômico sustentável, e muito menos aos objetivos de preservação.

É, urgente e necessária que se realize a mudança de categoria desta Unidade de Conservação. Não podemos mais relegar uma discussão dessa magnitude, que pode vir a comprometer significativamente o nosso ecossistema e a saúde sócio-econômica de muitas gerações, especialmente nos Municípios do entorno da REBIO.

 

 Nossa analogia:

Para o meio ambiente, Arvoredo pode ser comparado a um diamante bruto.

Que pode ser protegido guardando-se em um cofre "seguro"...

Ou exposto a visitação, monitorado com um eficiente sistema de segurança.

 

 

 

Para o turismo, Arvoredo pode ser comparado com uma "Tartaruga dos Ovos de Ouro",

Sem direito a visitação pública,

Ou usando o lazer como veículo de educação ambiental e desenvolvimento auto-sustentável

 

Encerro este texto, por fim, apelando aos técnicos do Ministério do Turismo e do Meio Ambiente que nos acompanhe nessa trajetória, guiando-nos pelos caminhos que ainda não nos foi possível percorrer. E, acima de tudo, reiteramos a nossa disposição em colaborar, de todas as formas, para que esse pequeno paraíso chamado Arvoredo seja, para sempre um direito alienável do povo brasileiro.

Renieri Balestro - Diretor Patadacobra

 

 

MAPA DO SITE

Patadacobra no Facebook   Siga a Patadacobra no Twitter     Mergulho Virtual no Youtube

volta ao topo    

 HOME

 
 

Patadacobra Mergulho & Turismo
Centro de Mergulho e Desenvolvimento de Instrutores PADI 5 Estrelas
Nossos Endereços:
Matriz e Base de Mar
Rua Castanheta, 62 - Esquina com a Rua Cascudo - Centro - Bombinhas - Santa Catarina - Brasil
Correspondência - Caixa Postal Nº 41 - CEP 88215-000
Telefone/Fax: +55 (47) 3369 2119 ou +55 (47) 3369 2257
---------------------
Filial Curitiba Batel
Alameda Dom Pedro II, 699 Loja 04 - Shopping Springfield - Batel
CEP 80420-060 - Curitiba - Paraná - Brasil
Telefone/Fax: +55 (41) 3343 6040

E-mail: info@patadacobra.com.br  URL:  www.patadacobra.com.br

5 Star Instructor Development Dive Resort Patadacobra

     
 

Copyright © by Patadacobra - All rights reserved
Web design by Renieri A. Balestro